OdivelasFC.com
Edição on-line para invisuais
Hoje é dia 19 de setembro de 2018 e são 18 horas e 43 minutos da tarde.


Está a ler o seguinte artigo: Diário da Donosti Cup: 09/07/2009, publicado em 12/07/2009 às 22:23

San Sebastian 09/07/2009: O sol cedo deu sinal, esperava-se um dia bonito e de grandes emoções que afinal aconteceram mas pelos motivos menos desejados. A nossa equipa A, apresentou-se no campo de “Bério”, em San Sebastian para o jogo dos quartos de final perante a equipa espanhola do Lugo.

Desta vez os jogadores da equipa B, com alguns dos seus pais também marcaram presença apoiando assim juntamente com os “habitues”, ainda mais a nossa equipa. O jogo começou um pouco atrasado, já depois das 13 horas.

A tranquilidade e confiança da equipa eram visíveis, a vontade de vencer enorme, estávamos preparados para continuar o nosso caminho em direcção á final, objectivo ultimo desta odisseia. Estavam assim reunidos todos os ingredientes para uma grande partida e uma grande vitória, só faltava mesmo juntar os outros dois ingredientes, o adversário e a isenção da equipa de arbitragem.

O resultado final foi: ODIVELAS A (1) x LUGO (1) AGP (3-4)

Num campo sintético em bom estado com temperatura a rondar os 20º., bom tempo sem chuva, e com o sol a aparecer na segunda parte. A equipa alinhou com: Janeiro; Ricardo, Gonçalo, Tiago e Daniel; Feijão, Rasteiro e Pedro; Cleto, Nani e Hugo.

Incidências do Jogo: Assistimos a uma grande entrada no jogo, uma equipa determinada em vencer, muito personalizada, confiante e tranquila, com uma grande segurança defensiva, um meio campo determinado e a controlar o jogo, e um sector avançado muito activo, remeteu a equipa do Lugo de imediato para o seu meio campo. Os jogadores espanhóis que já tinham sido vistos num jogo anterior, formavam uma equipa bem estruturada e foram a equipa mais forte que estávamos a defrontar neste torneio, assentando o seu jogo numa boa troca bola e em boas transições de jogo de flanco para flanco, bem como em algumas jogadas ensaiadas de bola parada.

No entanto foram totalmente manietados pela forma aguerrida como os jogadores lusos, se bateram. Nos flancos Ricardo e Daniel, intransponíveis, este ultimo mais acutilante no ataque, onde numa das suas subidas e combinações pelo seu flanco desfrutou também de uma excelente oportunidade de golo. Gonçalo e Tiago, seguríssimos e intratáveis na defesa, Rasteiro controlador do jogo a meio campo, Pedro e Feijão batalhadores e os primeiros a quebrar as intenções da equipa adversária, ao não permitir a organização do seu jogo.

Na frente Cleto e Hugo duas setas nas alas, desequilibravam por completo a defensiva adversária, onde Nani se movimentava muito bem em combinações quer com os seus companheiros de ataque, quer com o meio campo. Em resultado desta dinâmica a equipa do Lugo não funcionava, e as oportunidades de golo iam-se sucedendo na medida de cada ataque, forçando o guarda-redes contrário a grande trabalho, na mais flagrante Cleto atirou á trave da baliza contrária.

Não foi de estranhar que logo após uma oportunidade de golo perdida nos primeiros minutos de jogo e numa boa jogada iniciada no meio campo, Hugo foi lançado na direita e num dos seus habituais piques, ganhou vantagem sobre o seu adversário cruzando para a área onde Nani fazendo apelo ao seu invulgar sentido de oportunidade, atirou para o fundo da baliza, inaugurando o marcador.

Chegámos ao intervalo com um resultado demasiado magro tal a superioridade demonstrada através de claras cinco oportunidades de golo da equipa lusa, sem reacção da equipa do Lugo que com excepção de um remate de livre, de fácil defesa, deixou o guarda redes Janeiro tranquilo durante toda a primeira parte.

Ao intervalo Nani cedeu o seu lugar a Carvalho e durante a segunda parte , Rasteiro a Sandro e Gonçalo a Bernardo.

Inicio da sessão em III Actos “El assalto mayor”

Acto I: Durante o intervalo um elemento da equipa do Lugo, talvez nauseado pelo cheiro a transpiração dos seus elementos e certamente com sintomatologia estanha, provocado pelo banho de futebol que havia levado na primeira parte, não chama a Cruz Vermelha, mas decide visitar o árbitro na cabine, qual fonte inspiradora, de relaxamento e ambiente “ZEN”, procurando assistência para as suas maleitas. Terão travado uma amena e aliviada cavaqueira, talvez tenham falado sobre o “câmbio del tiempo”, ou o vento norte e quem sabe as influências da gripe suína, no crescimento do relva sintética. Deste diálogo terá resultado uma amizade entre paciente e curandeiro.

Acto II: No segundo tempo, a equipa do Lugo veio mais determinada do balneário, talvez por estar mais tranquila quanto ás questões da gripe suína ou quiçá do câmbio del tiempo, ou até mesmo do vento norte. Equilibrou mais o jogo e empurrados pelo vento norte que soprava no pensamento do arbitro, o cenário mudou radicalmente. Este começou a marcar faltas inexistentes contra a equipa portuguesa, especialmente perto da nossa grande área e deixando passar em claro, faltas a favor da nossa equipa, além de se ter equivocado em nosso prejuízo, em dois ou três lances de bola fora ou cantos. Cerca dos 15 minutos de jogo através de um canto e de uma jogada muito bem ensaiada, o Lugo, consegue chegar ao empate, no seu terceiro remate á baliza, sem que o merecesse em face do jogo produzido até então, e perante o registo de novas perdidas do nosso ataque.

Perto do final do jogo numa jogada de contra-ataque, arrancada de Sandro pelo lado esquerdo, que ultrapassa dois adversários e quando se encaminha para a grande área é “ceifado” por um adversário que não poderia ver outra coisa que o cartão vermelho. Do livre nada resultou.

Final do Jogo, com o resultado num empate que era duro e um injusto castigo para uma equipa que apresentou especialmente durante a primeira parte um futebol ao melhor nível do praticado nesta época, senão mesmo o melhor.

ACTO III: Terminado o jogo o curandeiro, estava algo comprometido olhava ternamente para o seu amigo e apesar de lhe ver melhoras não o conseguia ver totalmente restabelecido, a angustia era visível, e apoiado por dois amigos que lhe gritavam da bancada “portugueses van a casa”, foi para os penalties a pensar em resolver definitivamente o problema do seu amigo e paciente, afinal para que servem os amigos? Terá pensado.

Apesar de ser permitido ao Guarda redes do Lugo um comportamento inadequado, pois além de saltar sobre a linha de baliza, avançava sempre um a dois passos para a frente, na marcação dos penalidades. Cleto é o primeiro e marca, logo de seguida Janeiro defende.
- Safa isto está sério, terá pensado para o seu apito… Pedro é a seguir, coloca a bola com muita calma na marca, mas o curandeiro decide ir lá mudá-la mais dois mm de posição, bem fez Pedro que a colocou novamente no sitio certo, sem se deixar intimidar, bola para um lado, guarda redes para o outro.

- Isto está a correr mesmo mal, tenho que fazer algo, pensou novamente o curandeiro. A partir dai a cada marcação de penalty pelos nossos jogadores o guarda redes adversário vinha sempre tocar na bola já depois do nosso jogador a ter preparado para o remate, Carvalho não se deixa intimidar e marca, que ousadia!!!! O curandeiro não assinala de imediato golo e fica parado a olhar o horizonte, efectuando uma pesquisa rápida no seu cérebro, qual computador de ultima geração que pesquisa procurando um argumento para anular este penalty. Ainda lhe terá vindo á cabeça se jogadores negros estarão autorizados a marcar golos, e de penalty?, Bom esta é muito forte é melhor não arriscar e após alguns segundos de hesitação, lá apita e diz ao Carvalho ....Que si. Que si, ay sido gol.

A partir daqui, preocupado cada vez mais com seu paciente decide mudar de estratégia. Aquando da marcação dos penalties o curandeiro permitiu que o guarda redes espanhol em três ocasiões, se colocasse sobre a linha de pequena área entre o seu jogador que ia bater o penalty e o nosso guarda-redes, ora insultando e desconcentrando o nosso guarda redes, ora incentivando o seu colega de equipa. Luís, “incrédulo” como todos os presentes, corre para ele e chama-o á atenção, o curandeiro não atende “tranquilo”, “no passa nada”, de apitos, gripe suína , ventos norte e “Câmbio del tiempo”, percebo eu, não é nenhum português que me vem ensinar como se apita. Além disso tenho a certeza que as náuseas e os sintomas do meu paciente passarão não tarda nada.

Finalmente objectivo atingido, a equipa espanhola ganha vantagem, embora mesmo com esta pressão e violação clara das leis e regulamento quer do torneio quer das regras e regulamentos internacionais, o nosso Janeiro estivesse quase a agarrar a bola por duas vezes. Mas infelizmente não conseguiu parar nenhuma bola, evitando assim uma chamada para a Cruz Vermelha socorrer paciente e curandeiro algo desesperados até mesmo ao final.
No final os nossos pequenos caíram por terra sem excepção e choraram copiosamente, não só pela falta de sorte, mas também pela tremenda injustiça de serem afastados desta forma, que culpa têm eles por serem jovens e não perceberem nada de gripe suína, “cambio del tiempo” ou vento norte e logo por azar o elemento do Lugo ter procurado o arbitro e este ser especialista em curar pessoas com sintomas estranhos?

Terminada a sátira, o facto é que a falta de pontaria na primeira parte e o comportamento incompetente e escandaloso da equipa de arbitragem, afastaram de injusta a equipa portuguesa uma das grandes candidatas á conquista do torneio.

No período da tarde e após o almoço, os jovens voltaram ao convivo do Estádio Anoeta, levantando a moral, na companhia das fãs bascas e dos pais presentes e assistindo á vitoria da equipa B no Anoeta 2, sem duvida uma prenda preciosa, que estes meninos decidiram oferecer ao seu mister Gonçalo em dia de aniversário. Seguiu-se o jantar com direito a bolo de aniversário e parabéns ao mister Gonçalo e o retorno ao Hotel, com as constantes diligências do Luis e da guia Amélia, junto dos responsáveis procurando que o protesto do jogo por erro técnico grave, não fosse esquecido. Após várias insistências e a muito custo, o Luís conseguiu chegar junto do Director do Torneio, que visionando, após tentar desviar para canto as escandalosas imagens vídeo, sentiu um nó na garganta e lá prometeu um encontro decisivo para a manhã do dia seguinte.


Voltar à página inicial | Voltar ao site
FIM

© Copyright (c) 2007/2018 - OdivelasFC.com
Desenvolvido por Pedro Boléo - pboleo@gmail.com